Tenha a gentileza e a ética ao reproduzir os textos originais deste blog ou de qualquer outro, colocar claramente a fonte de onde foi retirado, no início ou na apresentação do texto com um link direto para o texto original. Poucos criam enquanto o restante todo copia.

sábado, 14 de janeiro de 2012

Autismo Enigma - A Teoria Bacteriana 1ª parte.

Em dezembro de 2011 foi lançado o documentário canadense, Autism Enigma, na rede CBC de televisão, com o propósito de investigar e divulgar o trabalho de um grupo de cientistas empenhados em estudar o autismo de forma sistêmica com origem microbiana.


As entrevistas com estes cientistas foram transcritas e as traduções feitas por mim, serão disponibilizadas aqui no blog.


Hoje disponho a entrevista do Prof. Jeremy Nicholson: mestre em química biológica e diretor do Departamento de Câncer e Cirurgia do Imperial College de Londres, UK.
Prof Nicholson é um bioquímico multi-premiado e foi um dos primeiros a abraçar a importância do perfil metabólico. A pesquisa do Prof Nicholson envolve a compreensão do papel dos micróbios na regulação das vias metabólicas humanas e como os micróbios estão envolvidos no metabolismo da toxicidade dos medicamentos, bem como variações nas respostas terapêuticas. Um grande desafio no trabalho do professor Nicholson está em ser capaz de caracterizar e classificar centenas de milhares de moléculas produzidas pelo sistema metabólico.





Por que o autismo é um transtorno tão complicado?

O autismo é o que chamamos de doença-mosaico, por isso tem muitas facetas diferentes. Descobri isso lendo um monte de artigos sobre o assunto, cerca de 500 no ano passado, cobrindo todas as áreas diferentes de pesquisa do autismo.
Isso é realmente uma das coisas que a maioria das pessoas que trabalham no autismo não tendem a fazer. Eles trabalham em sua própria área e não olham realmente todo o espectro. E se você olhar para a literatura, você verá que o autismo não é apenas um tipo de transtorno neuropsiquiátrico, comportamental e social, mas também é associado a problemas gastrointestinais, na maioria das crianças.

 Talvez 70% das crianças em algum momento ou outro, tem muitos distúrbios gastrointestinais graves. Mas também, há problemas que têm sido registrados no sistema cardiovascular. Eles têm um aumento da pressão arterial diastólica média. Eles têm um complexo QRS anormal. Esse é o controle elétrico real do coração. Parece que eles têm alguns defeitos de transporte renal também. 

Então, é uma doença sistêmica, mas o efeito mais óbvio é o social e comportamental, e por isso tende a ser associado a isso. Mas isso não significa dizer que as outras partes do sistema não estão profundamente envolvidas no mecanismo de ação e, eu acho que o que temos que fazer agora usando a nossa tecnologia moderna, é dar um passo para trás, olhar para todo o problema como um problema sistêmico e, ver como todas as interações anormais que estão ocorrendo nos sistemas de órgãos diferentes do corpo, podem ter impacto no desenvolvimento do cérebro nos dando os sintomas de autismo, que estão se tornando muito familiar.

Conte-me sobre como o microbioma intestinal está mudando, e como isso nos afeta.

Então, nós evoluímos com este microbioma intestinal, como é chamado esta comunidade de organismos complexos. Todo mundo é diferente no mundo, aparentemente. Você tem algo parecido com um quilo de micróbios dentro de você, que é uma grande quantidade. Talvez 100 trilhões de células. Isso é dez vezes mais células do que o resto do seu corpo. Se você quiser obter algumas estatísticas, durante a sua vida, a quantidade de micróbios do intestino que produz tem o mesmo peso que cinco elefantes adultos. E os micróbios em seu intestino são metabolicamente mais ativos biossinteticamente do que o resto do seu corpo. Então, eles têm um efeito enorme no seu metabolismo. 

E nós evoluímos com eles, e nós temos evoluído, não só como uma espécie, mas também em relação à nossa dieta. E, obviamente, desde o fim da Segunda Guerra Mundial, os nossos estilos de vida, nossas dietas mudaram muito. E, portanto, potencialmente, nossos micróbios e, certamente a nossa função microbiana, provavelmente mudou muito também.

Quais são alguns dos principais fatores que mudaram o microbioma?

Bem, o uso de antibióticos seria uma forma muito óbvia. Lembre-se, o autismo foi registrado apenas como uma doença em 1944 por Kanner, que é quase exatamente o mesmo tempo que começamos a utilizar antibióticos. E eu não estou dizendo que os primeiros casos foram causados ​​por antibióticos. Mas o que eu estou dizendo é que os antibióticos, especialmente quando administrados a crianças ou bebês, são obrigados a alterar o equilíbrio microbiano no microbioma em desenvolvimento.

 Lembre-se, eu disse que leva cerca de três anos para desenvolver o autismo. Quando você produz uma onda de choque súbita através de um antibiótico, ele poderia descarrilar, ou poderia mudar o rumo do desenvolvimento. E recentemente foi demonstrado por David Relman em Stanford que, uma vez que você usa antibióticos, os micróbios se recuperam. Isso é em adultos. Os micróbios se recuperam, mas eles nunca vão voltar ao que eram antes da antibioticoterapia. E, claro, em crianças, onde vemos um desenvolvimento ou um microbioma mudando, o efeito de antibióticos será ampliado sobre o que acontece em adultos.

E dieta. Há muita controvérsia sobre como a dieta interage com micróbios. Micróbios têm diferentes preferências alimentares. Não há dúvida sobre isso. Eles são todos de diferentes espécies. Eles têm diferentes atividades metabólicas. Então, se você mudar a dieta, você está quase certamente mudando o equilíbrio de poder nesta complexa ecologia em seu intestino. O que não está claro é se essas mudanças são permanentes ou reversíveis ou o que quer que seja. 

No entanto, a maioria dos cientistas têm estado a olhar para o microbioma, do ponto de vista da composição. Geneticamente, quem está lá, quais micróbios estão presentes. Mas micróbios respondem às condições em que estão, por isso, se você alterar a dieta, mesmo se quem estiver lá não mudar muito, o que estão fazendo muda. E esse é o ponto importante do ponto de vista metabólico, que os micróbios podem permanecer exatamente os mesmos em termos da composição de espécies, mas o que eles estão produzindo no corpo e sua posição na ecologia podem mudar radicalmente. E isso é o efeito que o indivíduo sente.

Então, nós estamos longe de saber quais das bactérias são "más" bactérias?

Bem, sabemos do trabalho do Dr. Sid Finegold sobre as populações de Clostridia serem muito anormais. E a Clostridia inclui uma gama de bactérias, algumas das quais são muito amigáveis ​​e importantes para nós, e outras são super perigosas, como no botulismo.

Você sabe que a toxina botulínica, uma das substâncias mais tóxicas no mundo, vem da Clostridia. Então, você tem um espectro de hostilidade, do realmente bom até o ruim dentro da Clostridia, e sabemos que as populações de Clostridia são muito anormais no autismo. Então, uma das respostas pode estar aí, pelo menos. Mas a coisa importante a lembrar, é que esses micróbios, podem não ser apenas uma espécie de bactéria, podem ser combinações delas e como elas funcionam juntas metabolicamente, e isso é um problema muito mais complicado e, francamente, eu acho que é uma probabilidade muito maior de ser verdade do que apenas encontrar uma colônia responsável. Eu acho que se fosse apenas uma colônia, teríamos, provavelmente, descoberto já. Então, é a combinação, a ecologia anormal, e como ela interage com o corpo, que muda o desenvolvimento.

Grandes quantidades de enxofre foram encontradas na urina de crianças autistas. Qual é a importância do esgotamento de enxofre em pessoas autistas?
É bem conhecida e tem sido conhecida há muitos anos anormalidades no metabolismo do enxofre em crianças autistas. Há evidências de que eles perdem o sulfato e outros componentes inorgânicos de enxofre na urina e em quantidades realmente muito grandes, o que implica em defeitos no transporte renal que está envolvido na recuperação de enxofre a partir da urina. Se você não tem esse trabalho de transporte eficiente, você perde o enxofre.

 Isso é potencialmente um grande problema porque o enxofre é altamente necessário e importante no desenvolvimento. É exigido para todos os tipos de processos metabólicos diferentes. Então, o interessante é que pode haver um problema fundamental de enxofre em crianças autistas. Os micróbios que eles têm, os micróbios anormais, são quase certamente associados à produção de metabólitos que requerem enxofre para processamento posterior. Então, se você tem essa combinação desagradável potencial de um defeito de enxofre, que pode ser genético, relacionado com os micróbios que demandam enxofre, você tem um problema de esgotamento de um recurso essencial que o corpo precisa para crescer e se desenvolver, incluindo o desenvolvimento do cérebro. Isso é apenas uma teoria, no momento, mas é algo que é bastante interessante: a idéia genética-ambiental.

Você vê uma aplicação de diagnóstico para o autismo a partir do seu trabalho que olha para metabólitos de doenças na urina?


Eu acho que há várias maneiras diferentes que você pode aplicar esta tecnologia e abordagem para estudar o autismo. O primeiro deles é: você pode diagnosticar o autismo mais cedo do que acontece atualmente? No momento, ele é baseado em um complexo conjunto de traços comportamentais e pelo tempo, o diagnóstico de autismo é feito pela primeira vez – normalmente com cerca de 18 meses ou mais - é claro que o dano já tenha sido feito. Então, a questão real seria, podemos detectar coisas que irá mostrar anteriormente que há um problema? E se assim for, podemos fazer algo sobre isso, certo? Podemos mudar a interação, a bioquímica do corpo para parar o problema em desenvolvimento? 

Então, há duas partes. Uma delas é o diagnóstico precoce, pois quanto mais cedo você tentar consertar o autismo, do jeito que for, e terapia comportamental é uma delas, o melhor você poderá corrigi-lo. E as crianças podem ser quase curadas por terapia comportamental, se você intervir muito cedo. Assim, o diagnóstico precoce é muito importante, mesmo sem a necessidade médica atendida. 

E a outra coisa é se nós podemos compreender como o metabolismo altera, e existe uma causa ambiental, podemos eliminar essa causa ambiental, evitando assim alguns casos de autismo? Eu não tenho certeza de que podemos impedir todos os casos, porque eu acho que existem alguns casos genuínos que acontecem realmente muito, muito cedo e, potencialmente, antes do nascimento e que provavelmente têm uma origem genética. Mas nós realmente não temos certeza sobre as proporções dos diferentes tipos de autismo que observamos.

Você mencionou que a maioria dos estudos têm sido feitos em crianças com mais de três anos de idade. Por que isso é significativo?

É muito claro se você começar a ler a literatura em geral sobre autismo e, olhar para todas as diferentes áreas de estudo, seja o comportamento, o tratamento, a neurologia, as imagens que tem sido feitas, ou a bioquímica, todas as crianças que foram estudadas na literatura científica, estão na faixa dos três anos de idade. Bem, o dano ocorre antes da idade de três, por definição, como uma questão de fato. Assim, há muito poucos estudos que analisaram o autismo nos estágios iniciais de desenvolvimento, que é exatamente quando você precisa  olhar para ele se você quer entender como isso ocorre.

 Então, é claro, isso é difícil de fazer. Então, a maneira como temos que direcionar é ... realmente muito simples: precisamos olhar para as famílias onde já tem uma criança autista, porque a chance deles terem uma segunda criança autista é realmente muito maior do que a população em geral. Assim, uma das coisas que poderíamos fazer é olhar prospectivamente para as famílias que já têm uma criança autista, olhar para seus filhos subseqüentes e tentar controlá-los através de seus estágios iniciais e ver se podemos encontrar quando eles se tornam metabolicamente ou microbiologicamente anormais, e ver se podemos, portanto, encontrar alguns preditores de autismo. 
E,  isto também não é simplesmente só na genética. É tentar identificar as principais mudanças na dieta, principais mudanças ambientais que estão associadas com o aparecimento do autismo. Então, precisa-se de anotações clínicas cuidadosas  relacionadas com o perfil metabólico ou microbiano.

Se você pudesse obter recursos para projetar um estudo em conjunto, o que você acha que o resultado seria?

Eu acho que o resultado seria que nós seríamos capazes de identificar, pelo menos, algumas classes de autismo que poderiam ter sido evitadas, certo? Estamos tentando levantar dinheiro para fazer esse tipo de estudo no momento. E estamos falando, você sabe, de milhões de dólares, por isso é um estudo caro para fazê-lo corretamente. 

Mas se você olhar para o custo do autismo, particularmente nos Estados Unidos, e os custos projetados para o futuro, estes são astronômicos. Assim, em 1980, por exemplo, era cerca de 1 em 15.000 crianças que achavam ter autismo, certo? O número atual é de 1 em menos de 100. Está a tornar-se uma doença frequente na infância. E a terapia comportamental que é dada, por exemplo, no estado da Califórnia, é algo como 100.000 dólares por ano por paciente. É um custo astronômico e se você olhar para a taxa de aumento de autismo nos últimos cinco ou dez anos, bem, não é exponencial, mas vai-se em uma curva íngreme. E se você projeta essas curvas à frente daqui a 25 ou 30 anos, você verá potencialmente uma criança autista em cada família nos Estados Unidos. Um problema de trilhões de dólares, ok? Então, pode ser que essa curva desça e não seja um problema tão grande. Nós simplesmente não sabemos. Mas no momento, há uma subida íngreme e com custos enormes. Assim, gastar alguns milhões de dólares, até US $ 10 milhões, na tentativa de entender os gatilhos é trivial em comparação com os custos de cuidados de saúde no futuro.


Mais sobre o documentário neste link: http://claumarcelino.blogspot.com/2012/01/documentario-autismo-enigma-teoria.html

Um comentário:

  1. adorei !!! eu acho que o autismo é algo que ocorre no organismo e atinge o cérebro, ou por "veneno ambiental", ou alimento !!!!

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...