Tenha a gentileza e a ética ao reproduzir os textos originais deste blog ou de qualquer outro, colocar claramente a fonte de onde foi retirado, no início ou na apresentação do texto com um link direto para o texto original. Poucos criam enquanto o restante todo copia.

sexta-feira, 29 de março de 2013

Sete maneiras de ajudar seu filho autista não verbal a falar


Imitar os sons de seu filho e seu jeito de brincar irá encorajar mais vocalizações e interação.


Tradução de Claudia Marcelino para artigo publicado pela Autism Speaks no dia 19/03/2013.

Esta semana, pesquisadores publicaram os resultados esperançosos de que, mesmo depois de 4 anos de idade, muitas crianças não-verbais com autismo, eventualmente, desenvolvem a linguagem. (Leia a nossa notícia aqui .)
Por uma boa razão, as famílias, os professores e outros querem saber como eles podem promover o desenvolvimento da linguagem em crianças não-verbais ou adolescentes com autismo. A boa notícia é que a pesquisa produziu uma série de estratégias eficazes.
Mas antes de compartilhar nossas "dicas", é importante lembrar que cada pessoa com autismo é única. Mesmo com um esforço tremendo, uma estratégia que funciona bem com uma criança ou adolescente pode não funcionar com outro. E apesar de toda pessoa com autismo poder aprender a se comunicar, não é sempre através da linguagem falada. Indivíduos não-verbais com autismo têm muito a contribuir para a sociedade e podem viver uma vida satisfatória com a ajuda de suportes visuais e tecnologias assistivas
Então aqui estão as nossas sete principais estratégias para a promoção do desenvolvimento da linguagem em crianças não-verbais e adolescentes com autismo:
1. Incentive as brincadeiras e a interação social. crianças aprendem através do brincar e isso inclui a aprendizagem de línguas. Jogos interativos oferecem oportunidades agradáveis ​​para você e seu filho se comunicarem. Experimente uma variedade de jogos ou brincadeiras para encontrar aqueles que seu filho gosta. Tente também atividades lúdicas que promovem a interação social. Exemplos incluem: cantar, recitar rimas. Durante suas interações, posicione-se na frente de seu filho e perto do nível dos olhos - assim é mais fácil para o seu filho te ver e ouvir.
2. Imite o seu filho. Imitar os sons do seu filho e jeito de brincar irá encorajar mais vocalizações e interação. Além disso, incentiva seu filho a copiar você e se revezar. Certifique-se de imitar como seu filho está brincando - desde que seja um comportamento positivo. Por exemplo, quando a criança rola um carrinho, você rola outro carrinho. Se ele ou ela bate o carro, você bate o seu também. Mas não imita quando ele joga o carro!
3. Foque na comunicação não-verbal. gestos e contato visual pode construir uma base para a linguagem. Incentive seu filho pela modelagem a responder esses comportamentos. Exagere seus gestos. Use o seu corpo e sua voz ao se comunicar - por exemplo, estendendo a mão para apontar quando você diz "olhe" e acene com a cabeça quando você diz "sim". Use gestos que são fáceis para o seu filho imitar. Exemplos incluem bater palmas, abrir as mãos, estender os braços, etc
Responda a gestos do seu filho: Quando ele olha ou aponta para um brinquedo, entregue-o à ele ou pegue a deixa para você brincar com ele. Da mesma forma, aponte para um brinquedo que você deseja antes de pegá-la.
4. Deixe "espaço" para o seu filho falar. É natural que se sinta à vontade para preencher a linguagem quando a criança não responde imediatamente. Mas é tão importante dar a seu filho lotes de oportunidades para se comunicar, mesmo que ele não esteja falando. Quando você faz uma pergunta ou vê que seu filho quer algo, faça uma pausa por alguns segundos enquanto olha para ele com expectativa. Fique atento para qualquer movimento de corpo ou som e responda prontamente. A rapidez de sua resposta ajuda a criança sentir o poder da comunicação.
5. Simplifique a sua linguagem. Isso ajuda o seu filho a seguir o que você está dizendo. Também torna mais fácil para ela imitar o seu discurso. Se o seu filho é não-verbal, tente falar principalmente em palavras simples. (Se ela está brincando com uma bola, você diz "bola" ou "joga".) Se o seu filho está falando palavras simples, aumente o vocabulário: Fale em frases curtas, como "jogue a bola" ou "chute a bola". Continue seguindo esta regra: Geralmente use frases com uma palavra a mais do que o seu filho está usando.
6. Siga os interesses do seu filho. Ao invés de interromper o foco do seu filho, siga-o junto com as palavras. Usando a regra de narrar o que seu filho está fazendo. Se ele está brincando com um classificador de formas, pode-se dizer a palavra "dentro" quando ele coloca uma forma em seu lugar. Você pode dizer "segure" quando ele segura a peça e "solte", quando ele a deixa de lado para começar de novo. Ao falar sobre o acontece com seu filho, você vai ajudá-lo a aprender o vocabulário associado.
7. Considere dispositivos de apoio e suportes visuais . As tecnologias de apoio e suportes visuais podem fazer mais do que tomar o lugar da fala. Podem incentivar o seu desenvolvimento. Exemplos incluem dispositivos e aplicativos com imagens que seu filho toca para produzir palavras. Em um nível mais simples, os suportes visuais podem incluir imagens e grupos de imagens que o seu filho pode usar para indicar pedidos e pensamentos. Para mais orientações sobre o uso de suportes visuais, consulte Autism Speaks ATN / AR-P Visual Suporta Tool Kit .
Os terapeutas de seu filho são excepcionalmente qualificados para ajudá-lo a selecionar e utilizar estas estratégias e outras para estimular o desenvolvimento da linguagem. Diga ao terapeuta sobre seus sucessos, bem como quaisquer dificuldades que você está tendo. Ao trabalhar com a equipe de intervenção do seu filho, você pode ajudar a fornecer o apoio que seu filho precisa para encontrar a sua "voz".

8 comentários:

  1. Claudia cada texto postado é uma gota para a interiorizaçao de atitudes.
    Obrugada

    ResponderExcluir
  2. MUITO BOM ! MINHA FILHA NÃO É VERBAL AINDA, MAS ESTOU TRABALHANDO BASTANTE PARA ESSE ACONTECIMENTO !E FAREI O Q APRENDER CADA DIA !

    ResponderExcluir
  3. Texto maravilhoso.
    Porem preciso de muita informaçao.
    Contato.abilenedecastro@yahoo.com.br

    ResponderExcluir
  4. Autism Speaks é desprezada pelos autistas por suas mensagens de ódio e desinformação e muitas coisas erradas que acontecem lá (se quiserem detalhes, eu passo os links). Então, muito cuidado ao que vem de lá.

    ResponderExcluir
  5. Quanto a fala propriamente dita, vá com calma. A língua falada pode ser muito complicada para o autista, principalmente o não-verbal. As vezes, a dificuldade pode ser tão grande que nem vale a pena. Não estou dizendo para os pais subestimarem seus filhos. Estou dizendo: Pense nisso como oralizar um surdo. Não seria melhor primeiro desenvolver uma linguagem alternativa da qual possam se comunicar com facilidade para depois oralizar? Como a libras são pros surdos, (e libras podem ser boas pro autistas também, fica a dica), são PECS e CAA para alguns autistas. No resumo: não force a barra, verifique se a oralização é realmente o melhor ou não. Não parta do principio que fala é obrigação.

    ResponderExcluir
  6. A terapia e a integração são indispensáveis, não é forçar o Autista a fala e sim o ajudar a falar,com amor e carinho eles aprendem,meu filho é autista e vejo como as terapias fazem bem pra ele!!!

    ResponderExcluir
  7. A terapia e a integração são indispensáveis, não é forçar o Autista a fala e sim o ajudar a falar,com amor e carinho eles aprendem,meu filho é autista e vejo como as terapias fazem bem pra ele!!!

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...